• Empresas
  • Salários
  • Entrevistas
  • Vagas

Vaga de Analista de Projetos de Supply Chain
Monsanto (Adquirida pela Bayer) em São Paulo - SP

Descrição da Vaga

Analista de Projetos de Supply Chain - SR – América do Sul
  • Responsável pela gestão de um portfólio dos projetos de Supply Chain da região América do Sul, (iniciativas lideradas regionalmente e/ou por times globais) através da utilização de metodologias de gestão de projetos e gestão de mudanças para apoiar a excelência operacional e garantindo alinhamento com a estratégia da organização.
  • ** Portfólio de Projetos:** Responsável pelo mapeamento de oportunidades e priorização junto com clientes internos, analisando custo e benefício, complexidade, impacto na organização, etc. Responsável por garantir a implantação dos projetos prioritários de alta complexidade.
  • ** Gestão de Projetos:** Responsável pela gestão das atividades durante todo o ciclo de implementação dos projetos. Como por exemplo: construir business cases, definir escopo, planejar e acompanhar cronogramas, analisar e dimensionar recursos, gerenciar riscos, gerenciar custos, prover visibilidade e relatórios gerenciais de status físico-financeiros, etc;
  • ** Gestão da Mudança:** ser um agente de mudanças nos projetos. Garantir planejamento com ações de comunicação assertiva, treinamentos necessários e gestão de partes interessadas na rotina das iniciativas, minimizando as dificuldades durante implementação e os impactos nas pessoas.
  • ** Disseminar melhores práticas:** ser um multiplicador de competências de metodologia de Gerenciamento de Projetos e Mudanças. Busca por benchmarkings e adaptação das melhores práticas para o contexto da Monsanto.
  • ** Principais entregas esperadas:** garantir a implementação de projetos de maior relevância para a área de Supply Chain da Monsanto América do Sul com times multifuncionais, dentro do prazo, custo e qualidade e com adoção adequada, conforme planejado, promovendo uma cultura de gestão dentro da companhia.
  • Formação Superior em administração, economia, engenharias ou similares;
  • Inglês fluente;
  • MS Power Point, Excel e Project avançado
  • Espanhol – desejável;
  • Pós Graduação - desejável;
  • Certificação em PMP ou APICS - desejável;
  • Certificação Change Management – desejável;
  • Certificação Lean/Six Sigma – desejável;
  • Experiência em projetos de TI – desejável.
  • Mínimo de 4 anos de experiência na área de Supply Chain e/ou Gestão de Projetos;
Leia mais

Avaliações da Monsanto (Adquirida pela Bayer)


Satisfação geral dos funcionários

4.26
  • Remuneração e benefícios
    4.39
  • Oportunidade de carreira
    3.58
  • Cultura da empresa
    4.18
  • Qualidade de vida
    4.24

Recomendam a empresa a um amigo



  • Há 15 dias

    Empresa muito boa para se trabalhar

    Analista Júnior

    São Paulo, SP


    Prós: Cultura que valoriza as pessoas e relacionamentos, horarios flexiveis, muita possibilidade de job rotation e qualidade de vida em primeiro lugar

    Contras: Existe uma dificuldade para alcançar cargos mais altos ja que o crescimento dentro da empresa ainda é muito lento, existe muita hierarquia.

    Recomenda a empresa: Sim

  • Há mais de 1 ano

    Desenvolvimento soterrado por politicagem

    DiretorEx-funcionário, saiu em 2016

    São Paulo, SP


    Prós: Empresa líder em seu segmento, altíssima tecnologia, com um bonito propósito (alimentos para as pessoas de todo o mundo). Programas de treinamento para liderança muito bem elaborados e com ótimo currículo. Muitas ações voltadas para qualidade de vida e diversidade.

    Contras: Clima de extrema politicagem, feedbacks às vezes são ruins mesmo quando as metas foram atingidas, e até superadas, por conta de quem você conhece ou com quem não interagiu (mesmo que não haja motivo para interagir com aquela pessoa além de "aparecer"). Especialmente dentro do próprio RH (fujam dessa área!), alimentam muito essa característica e têm pouca transparência, por trás da máscara há muitas agendas ocultas. Além disso, o foco é apenas nos gerentes, com poucas ações feitas para os times e uma falsa vontade de ouvir as pessoas (todas as ações feitas são abandonadas ou tratadas com baixa prioridade, é feito apenas da boca para fora, sem engajamento da liderança). A liderança mais sênior da área nunca interage com as pessoas mais juniores - apenas um ou dois "escolhidos" - e confia apenas nos seus reportes diretos para formar a imagem das pessoas, formando rótulos das pessoas baseados em poucos contatos (por vezes bem injustos). Isso tudo que gera uma competição para se expor mais do que os outros, e sobre os times, muito mais para "proteger" suas pessoas do que discuti-las de maneira imparcial visando o melhor para a empresa.

    Recomenda a empresa: Não