Love Mondays


Ver avaliações para empresas similares

Como é trabalhar na Itaú Unibanco (Itaú BBA e Rede)?

3793 postagens (1062 avaliações nos últimos 12 meses)


Satisfação geral dos funcionários

4.00
  • Remuneração e benefícios
    4.32
  • Oportunidade de carreira
    3.73
  • Cultura da empresa
    3.86
  • Qualidade de vida
    3.45

Recomendam a empresa a um amigo



  • Há quase 3 anos

    Várias empresas dentro de uma só...

    Analista Sênior


    Prós: Todos os benefícios e oportunidades de uma grande empresa. O grau de satisfação e compreensão da empresa varia conforme a área e o cargo que se ocupa. Trabalhar em rede de agências e áreas comerciais é totalmente diferente de atuar em áreas e pólos administrativos e de suporte. Cada estrutura interna tem suas características, boas e ruins.

    Contras: Uma empresa que divulga suas ações pseudo-sociais como capazes de "mudar o mundo", deveria ter a humildade de reconhecer que precisa antes de tudo mudar algumas coisas internamente. É certo que muitos problemas não são exclusivos do Itaú, estando presentes em outras empresas e na própria sociedade, pois são inerentes à condição humana, tais como individualismo, egocentrismo, vaidades, etc. Mas quem tem tamanho "Sonho Grande" e apregoa ser fundamental ter "Brilho nos Olhos", deveria ser capaz de lidar melhor com questões fundamentais que emperram suas próprias entranhas.
    Vejo gestores perdendo a maior parte do seu tempo com reuniões improdutivas e fazendo "gestão de fofocas", ao invés de se dedicarem ao dia-a-dia de suas equipes, conhecerem melhor seus funcionários e as atividades que realizam, ouvir as pessoas e absorver suas ideias e de fato promoverem a tal Meritocracia que o Banco tanto alardeia fazer, mas que vale só para os níveis mais baixos (e mesmo assim é manipulável). A tal "curva forçada" - na qual os gestores são obrigados a classificar suas equipes dentro de parâmetros impostos "à força" - é execrável! Se o Banco tem tantos processos de seleção e de avaliação para contratar e manter os melhores profissionais nas mais diversas áreas, por que então ele exige que os gestores avaliem obrigatoriamente no mínimo 10% de seus funcionários como péssimos e apenas no máximo 10% como excelentes? Será que é para obrigar a um turn over massivo a cada ano (pois os mal avaliados são demitidos)? Será que é para camuflar a intenção de trocar os quadros mais velhos e/ou mais caros por mais jovens e mais baratos? Parece uma estratégia suicida, pois melhora o Balanço no curto prazo, mas "junioriza" a empresa e provoca irreparáveis perdas de conhecimento. Isto já é perceptível em várias áreas, onde se vê um monte de gente "batendo cabeça" para resolver questões que apenas uma pessoa - mais preparada, experiente e consequentemente mais "cara" - resolveria fácil e rapidamente.
    O Banco parece um time no qual o "meio de campo" não funciona muito bem, sem fazer a "ligação entre a defesa e o ataque". Os gestores - em todos os níveis - são chamados de "líderes" pelo RH, mas poucos são de fato merecedores desta distinção. O próprio RH da empresa é o difusor desta cultura de exclusão, pois seus quadros - em níveis decisórios - são formados por pessoas que não vivenciam e/ou conhecem a realidade do mundo de fora, das agências, do que vai além dos palaciozinhos provincianos que habitam, do "povo" (tanto colaboradores quanto clientes). Vivem buscando "talentos" fora da empresa, mas desde que tenham o "perfil" que foi estabelecido como o ideal/válido (semelhantes a eles/as). Este "ideal" é apenas parcialmente declarado, pois no fundo esconde preconceitos e favoritismos.

    Conselhos para presidência: O Banco deveria reconhecer e promover seus verdadeiros talentos a posições estratégicas, independente de cargo, idade ou remuneração. Aproveitar os mais experientes como difusores de conhecimento, supervisores, ou facilitadores de processos, em todas as áreas do Banco.
    Somente a união do que há de melhor em cada "geração" poderá elevar a empresa a patamares diferenciados. Prezados dirigentes, suas histórias são maravilhosas! As empresas criadas por suas famílias são gigantes que se fundiram num só. Vocês conhecem melhor do que ninguém seus negócios e o mercado, mas permitam que a voz de muitos colaboradores seus chegue até vocês, sem filtros. O programa "Portas Abertas" não atinge este objetivo, pois sorteia cerca de 20 vagas - entre mais de 90 mil pessoas - para conversarem um dia com vocês. Desse jeito, pessoas como eu vão passar a vida toda tentando contribuir com ideias que vão além da própria "caixinha", mas que esbarram em processos e pessoas que não estão comprometidos com o Banco, mas sim com suas carreiras e interesses pessoais.

    Recomenda a empresa: Sim

  • Há mais de 2 anos

    Remuneração e dia a dia interessantíssimos, mas exigência do trabalho também é alta

    Estagiário

    São Paulo, SP


    Prós: Ambiente saudável em geral, com dia a dia desafiador e dinâmico. Local de trabalho adequado, com ótima estrutura e serviços de suporte. Remuneração alta, em especial devido a variável e possibilidade de exercer atividades extremamente interessantes dentro do setor.

    Contras: Necessidade de trabalhar no local o tempo todo minimizam fortemente a possibilidade de flexibilidade de horários, além de inexistir a opção de home office. Estrutura altamente enxuta faz com que muitos ficam engessados em um cargo, ausência de um plano de carreira.

    Recomenda a empresa: Sim

  • Há quase 3 anos

    Excelente , ainda tenho ela no sangue.

    Gerente de FilialEx-funcionário, saiu em 2014

    Brasília, DF


    Prós: Conte como se estivesse falando com um amigo. Trabalhei de 1997 até 2004 , foi uma das melhores experiência que tive , devo muito a minha qualificação profissional no tempo que passe lá , antes trabalhei de 1988 até 1997 na Credicard , duas empresas dinâmicas , com tecnologia de ponta e respeitada no mercado pela tradição e credibilidade.

    Contras: Pra mim praticamente não teve , só um código de conduta ( Complice ) que não seguiam bem as regras definidas . Espero que seja hoje respeitado , pois trata-se de um documento sério. Fui prejudicado por isso , que sempre fiz as coisas correta , e uma outra pessoa que fazia as coisa certas foi impune .

    Recomenda a empresa: Sim

  • Há mais de 2 anos

    Boa para ganhar dinheiro, razoável ambiente de trabalho

    GerenteEx-funcionário, saiu em 2012

    Barueri, SP


    Prós: Nível de remuneração, ferramentas de Rh bem implementadas (consultoria interna, política de cargos e salários), empresa de porte interessante para crescimento (não tão grande, possibilidade de visibilidade com alta gestão, nem tão pequena que não tem oportunidades)

    Contras: Elevado nível de pressão, e pouco efetiva, pois o direcionamento mudava a cada ano. A localização atrapalha tb a qualidade de vida.

    Recomenda a empresa: Não

  • Há mais de 2 anos

    Paga-se bem, mas é muito desafiador

    Operador de Caixa

    Niterói, RJ


    Prós: beneficios, tickets, planos, carreira

    Contras: metas abusivas, insegurança por não ser um emprego estabilizado e se não bater as metas mandam embora

    Conselhos para presidência: Metas injustas e mau calculadas, não me dá estabilidade para garantir meu futuro e sou obrigado a ter uma segunda opção

    Recomenda a empresa: Não

  • Há mais de 2 anos

    Empresa sólida, porém difícil de crescer

    Analista II

    São Paulo, SP


    Prós: Uma das maiores corretoras do país e que tem se expandido por outros cantos do mundo. A localização em São Paulo é muito boa. Na área onde trabalho, agora, esta com um ambiente saudável. Isso varia de gestor e de área.

    Contras: Trabalham por meritocracia, mas não são justos nas promoções e menos ainda na hora do pagamento de bônus. Metas arrojadas, mas não impossível de bater. Reconhecimento por ter alcançado a meta praticamente não existe o que desestimula para alcançar a meta do ano seguinte.

    Recomenda a empresa: Sim

  • Há quase 3 anos

    INSUSTENTABILIDADE

    Advogado

    São Paulo, SP


    Prós: O atual Itaú (de onde saí, demitida, em 2012) não pode se comparar com o bom e velho Itaú, uma empresa que tanto nos dava orgulho. Hoje existem no local, de um lado, empresários loucos para lucrar às custas dos seus clientes e dos funcionários; e de outro lado, funcionários que não têm garantia alguma sobre o dia de amanhã, porque a cada manhã encontram um surpresa diferente da parte das respectivas diretorias.

    Contras: O formato escolhido para avaliação dos funcionários (adotado após a fusão com o Unibanco) é uma verdadeira tortura psicológica, com metas totalmente megalômanas e a tal curva forçada. Outrossim, existe uma manipulação absurda e, claramente, percebe-se a existência de uma tendência a se escolher antes quem será a "bola da vez" (demissão, que ocorre em massa, especialmente em relação aos colaboradores mais experientes e encarreirados e, portanto, mais "caros" para os orçamentos), para, depois, alocar o infeliz no pior dos "quadrantes" (avaliação eixos "x" e "y") e, assim, justificar a demissão previamente definida. O clima do banco, à época em que saí, era de canibalismo entre os próprios colegas.

    Conselhos para presidência: Roberto, você perdendo o bem mais valioso que sempre existiu no Itaú: os recursos humanos. Se, num primeiro momento, a impressão é de que o banco vai muito bem, obrigado, a médio prazo as consequências por essa negligência vão aparecer. O banco não é mais sustentável e, veja bem, seus diretores vêm sonegando de você a real situação de como andam os "bastidores".

    Recomenda a empresa: Não

  • Há quase 4 anos

    Esperava mais

    Analista

    São Paulo, SP


    Prós: Salário e Benefícios são muito bons, dissídio também. Mas duvido que esta seja a vontade da empresa e sim a imposição de acordo coletivo.

    Contras: Falta um sistema de medição de desempenho profissional que funcione. Hoje este é pautado pela vontade dos gestores que promovem seus favoritos (frequentadores dos mesmos botecos/academia/futebol que eles). Acham que somos médicos e devemos cuidar dos sistemas da empresa 24h por dia, fazendo plantão. Não fornecem as ferramentas necessárias para trabalharmos. Até na hora de trocar um computador velho precisa de justificativa.

    Conselhos para presidência: Parém de se esconder atrás de processos mediocres pra justificar suas ações.

    Recomenda a empresa: Não

  • Há 9 meses

    analista

    AnalistaEx-funcionário, saiu em 2015

    São Paulo, SP


    Prós: Pessoal legal, benefícios, salário, plano de carreira, estabilidade (psicológica), boa localização, plano de saúde, vale alimentação, plano odonto

    Contras: falta de reconhecimento, burocracia, exigência, gerentes péssimos, processo de avaliação ridículo, mudanças internas constantes sempre para pior

    Recomenda a empresa: Sim

  • Há mais de 2 anos

    Ótima empresa para determinados perfis

    Analista de Produtos Júnior

    São Paulo, SP


    Prós: Empresa sólida, com estabilidade, previsilibilidade para planejamento financeiro,

    Contras: Favoritismo, falta de transparência, plano de carreira conservador, subvalorização de perfis, gestores mal preparados para gestão de pessoas

    Recomenda a empresa: Não


Informações da empresa

Itaú Unibanco (Itaú BBA e Rede)

Descrição:O Itaú Unibanco, com mais de 90 anos de história, é o maior banco privado da América Latina. Presente em 19 países nas Américas, Europa e Ásia, o banco conta com cerca de 90 mil colaboradores. Com uma rede de atendimento ampliada, composta por mais de quatro mil agências e postos de atendimento e 44 mil caixas eletrônicos em todo o território nacional, atende clientes pessoa física e pessoa jurídica em todos os segmentos, sempre focado na satisfação e excelência no atendimento. O banco tem ações negociadas nas bolsas de São Paulo, Nova York e Buenos Aires e faz parte do Dow Jones Sustainability World Index há 17 anos consecutivos.

Site

RH: quer atrair bons talentos?