Love Mondays


Ver avaliações para empresas similares

Como é trabalhar na CI&T?

Ver todas as avaliações

  • Há aproximadamente 1 ano

    Não recomendo para quem tem maior experiência, principalmente se for com .NET

    Desenvolvedor.NETEx-funcionário, saiu em 2016

    Campinas, SP


    Prós: A empresa possui uma excelente infra e organização. Há também uma boa cartela de clientes e em geral, as pessoas são amistosas e comprometidas com os resultados do projeto. Se um cliente colocar seu projeto para a CI&T executar, é muito provável que o cliente receba o que pagou, com muita qualidade e com satisfação bastante grande. Eu vi isso pessoalmente em alguns projetos e isso realmente conta muito. A empresa permite uma relação honesta e correta com o cliente e isso é muito importante também. Vale lembrar que os benefícios são bons para cargos de "liderança" e que o salário CLT é pago usando um sistema de banco de horas justo e que pague certinho as horas-extra. Muitas coisas bacanas feitas pelos colaboradores são elogiadas publicamente em eventos internos com o uso de medalhas, pins e enriquecimento no perfil interno do cara na empresa. E claro, é possível chegar quando quiser e usar a roupa que quiser. O ambiente é informal e bem agradável. As pessoas que estão saindo da faculdade e começando a carreira na CI&T terão uma boa experiência, um bom crescimento como pessoa e poderão fazer vários amigos.

    Contras: O principal problema da CI&T é que, para conseguir os resultados acima, com custos e qualidade razoáveis, há um imenso sistema de comando e controle invisível, que acaba fazendo com que as pessoas trabalhem muito mais, até mesmo de graça, para conseguir pequenos capitais na "carreira" de modo a tentarem subir na avaliação. A avaliação é cruel, tratando-se de uma planilha que é utilizada não para avaliar, mas sim, para "desavaliar" um funcionário. Por exemplo, cada coisa que você faz, cada erro, cada problema que tem seu nome envolvido - tudo é guardado e no futuro, é usado como item de feedback negativo para te atrasar a progressão na planilha de avaliação e com isso, atrasar um possível aumento ou promoção. Na prática o que ocorre é que temos milhares de programadores de nível intermediário, sufocados por uma política opressora de feedbacks e leva-e-traz sutis, por uma "normalização" do conhecimento e pelo excesso de encheção para forçar todo mundo a programar de forma colaborativa, ajudando os outros caras que não se esforçam e impedindo você de se concentrar para fazer um bom trabalho. Este "fordismo socialista cool multicultural" acaba desestimulando iniciativas mais arriscadas como colocar linguagens de programação novas, ferramentas web modernas e etc. Antes um entrega segura do que fazer algo melhor, mais bem feito e com tesão. E o excesso de agilidade acaba fazendo com que o programador esteja sempre estressado, trabalhando o máximo possível, engordando, se entristecendo quando não é lembrado e principalmente, se deprimindo sem saber porque. Embora haja video-games, fliperamas e etc, o essencial não existe na CI&T, que é dar ao programador o espírito da criação SEM MEDO. Quando se começa na CI&T, não é só sentar e programar. Eles sequer valorizam muito seu conhecimento técnico e o quanto você estudou para chegar em um bom nível. Eles querem que você produza muito, levante da cadeira para ajudar os outros a produzir, participe de muitas iniciativas internas (que sempre geram demandas adicionais para quem já está hiper ocupado = trabalho em casa free? horas-extra são fortemente desencorajadas!) e querem que você seja um Deus que crie tudo sem bug e etc. Ou seja, você é avaliado pelo que faz, pelo que não faz, pelo seu jeito de ser e pelo seu jeito de agir. Isso acaba levando ao ponto crucial da coisa: você tem que "vestir a camisa" da empresa e precisa ter uma cultura da empresa enraizada na alma para se dar bem. Ou, traduzindo, você precisa trabalhar umas 12 a 14 horas diárias sorrindo para se dar bem neste esquema. E isso sempre se traduz em muitas pessoas saindo da empresa umas 20 ou 21h diariamente... Será que vale a pena mesmo todo este esforço e toda esta coisa política para ganhar o que se ganha em outros lugares trabalhando normalmente? Ah, vale lembrar que a concorrência implícita para uma vaga melhor acaba gerando o que há de mais nefasto no mercado: colegas de trabalho amigáveis na sua frente, mas que por trás, informam todas as sua "falhas" para a gerência/scrum masters de modo a te atacar pelas costas sem qualquer chance de defesa. Se você trabalha com .NET, fuja. Você terá que atuar em projetos legados, fora da sua especialidade, fora do que você considera como moderno e ideal e provavelmente terá que atuar muito mais em manutenção do que criação de novos projetos com novas e decentes tecnologias. A coisa mais avançada que você verá é um CRUD com entity framework e alguma tela ou outra. E tome muito cuidado com a área que você for cair. Se for área de Bancos ou Seguradoras, tome muito cuidado. É capaz de cair em um projeto que tenha até mesmo VB6. Fuja. Além disso, os melhores caras de .NET não estão na CI&T desde os anos 2000. Todos saíram para lugares melhores. Ah! Sempre há cortes de vagas para quem atua com .NET. Contratam e demitem sempre.

    Conselhos para presidência: A CI&T até pode ser ainda uma GPTW. Mas é notório que neste ano a avaliação despencou. A empresa em algum momento acabou se perdendo. Se eu pudesse dar um conselho, revejam imediatamente essa coisa de avaliação e revisem principalmente, se vale a pena estressar a equipe em prol de uma suposta agilidade que é benéfica só para a gestão.

    Recomenda a empresa: Não

Informações da empresa

CI&T

Descrição:A CI&T é uma multinacional brasileira de serviços de TI, que abrange consultoria e outsourcing de aplicações, incluindo mobile, cloud e analytics. Fundada em 1995, tem sede em Campinas (SP), e está presente também em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Estados Unidos, Europa, China e Japão. É considerada uma das empresas brasileiras mais internacionalizadas, com boa parte das receitas vindo de operações externas.

Site

RH: quer atrair bons talentos?