Guia para fazer o currículo ideal

0

Ter um currículo bem construído é um fator determinante para participar de processos seletivos, seja qual for o seu momento de carreira.

Você provavelmente conhece os principais pontos de atenção para se ter um bom CV, como a correção gramatical e a clareza das informações. Mesmo dominando esses aspectos, no entanto, existem outros que determinam se o seu currículo é poderoso ou não.

Por isso, criamos um guia para que você possa dar um up no seu currículo e ser mais atrativo para os recrutadores. Siga lendo:

Pense em como funcionam as coisas no seu setor

Você deve começar pelo mais básico, observando o setor em que atua em uma perspectiva macro. O que deve ser questionado aqui é se seu currículo está de acordo com o que é esperado de um profissional de sua área em aspectos como formatação e estilo, textos, informações pessoais, descrições de experiências e especificações de educação.

Faça uma pesquisa com outros profissionais e avalie se sua área de atuação exige um currículo mais tradicional ou se existe a oportunidade (ou até a necessidade) de ser mais criativo. Verifique também se é preciso incluir alguma informação primordial, como sua disponibilidade para fazer viagens a trabalho, por exemplo.

Toda profissão e setor têm suas especificidades e o recrutador buscará por elas quando ler o seu currículo. Por isso, não economize tempo para pensar sobre o que sua área demanda. Isso irá guiar todo o processo de criação de um CV poderoso.

Reflita sobre o estilo de empresa à qual você pretende se candidatar

Além de qualificação profissional, as empresas buscam pessoas que combinem com sua cultura, estilo de trabalho, ambiente, valores e missão. Da perspectiva do recrutador, praticar isso significa contratar profissionais que serão felizes no trabalho, além da drástica diminuição da rotatividade.

Ao adotar essa mentalidade com base no estilo da empresa contratante, você consegue adequar não só o seu currículo, mas também toda a sua comunicação para mostrar que realmente combina com aquele lugar. Por exemplo, se você quer trabalhar em uma startup, é provável que um currículo “quadrado” não seja tão atrativo.

Comece a construir o CV

Agora que já refletiu sobre o setor e o estilo de empresa à qual pretende se candidatar, você pode partir efetivamente para a construção do seu currículo. Mais uma vez, as reflexões que você fez servem para balizar toda a construção do documento.

Aqui cabem as dicas clássicas para a construção de qualquer currículo:

  • Adicione suas informações pessoais, como nome inteiro e o local em que você mora.
  • Inclua e destaque a sua pretensão de cargo ou a área em que você atua.
  • Suas experiências profissionais devem estar alocadas em ordem cronológica da mais recente para a mais antiga. Não se esqueça de colocar as datas de saída e entrada na empresa.
  • Foque em resultados quando for descrever seus feitos nas empresas onde trabalhou. Sua experiência será muito mais valiosa quando analisada sob esse ponto de vista.
  • Suas experiências acadêmicas também devem estar classificadas em ordem cronológica da mesma forma que as profissionais. Se você não passou por muitas empresas e está iniciando a carreira, pode ser interessante incluir uma descrição sobre o enfoque da sua graduação. Há cursos de Administração mais focados em Marketing, por exemplo. Deixe isso claro se fizer sentido para a vaga que você almeja.
  • Não esqueça de incluir as habilidades que te destaquem para aquela vaga. Idiomas e coisas que você aprendeu em cursos extracurriculares também possuem muito valor aqui!

Descubra quais são suas palavras-chave

Além de facilitar a leitura do recrutador quando ele estiver lendo suas informações, incluir palavras-chave que refletem o profissional que você é pode te destacar em processos seletivos que contam com o auxílio da inteligência artificial na fase de seleção de currículos.

Muitas empresas estão utilizando softwares capazes de realizar uma primeira análise nos currículos para avaliar se o perfil do candidato faz sentido ou não para aquela vaga. Só após essa varredura automatizada é que entra o trabalho humano de consolidar as informações. Para que essa inteligência artificial funcione, o recrutador seleciona quais são os critérios necessários para a oportunidade em diversos aspectos, como educação, habilidades e também palavras-chave que devem estar no documento.

Mesmo que a empresa contratante não utilize essa tecnologia, incluir palavras que mostrem quais são suas especialidades é importante para a leitura dinâmica que o recrutador fará no primeiro contato com o seu CV.

O processo de definir quais são suas palavras-chave consiste em pensar quais funções você melhor desempenha em seu trabalho ou aquelas que resumem o que você faz. Por exemplo, para a área comercial, você poderia incluir “prospecção”, “gerenciamento de contas”, “hunter”, “SDR” e outras.

Suas palavras-chave também devem conter algumas de suas habilidades mais técnicas ou conhecimentos específicos: no caso de um desenvolvedor de software, pode ser estratégico incluir as linguagens de programação dominadas. Se seu trabalho depende de um programa específico, também pode ser bom destacá-lo em sua pequena nuvem de palavras.

Só tome cuidado para não poluir seu CV com muitas tags: pense nas mais importantes e naquelas que fazem sentido para a vaga concorrida. O número ideal dependerá da formatação do seu documento e como você irá dispor todas elas, mas tente não ultrapassar o número de cinco palavras-chave.

Observe os pontos que sempre devem ser adaptados

Ninguém disse que ter um currículo poderoso seria fácil. Agora que você já sabe como pode construir um que tenha a sua cara e combine com a área em que atua e o estilo de empresa desejada, é hora de pensar sobre adaptações.

Cada vaga possui diferentes requerimentos: pode ser que o recrutador da empresa X busque alguém que tenha mais habilidade na linguagem escrita, mas a companhia Y queira uma pessoa que domine melhor a linguagem visual.

Observe em seu CV quais são os pontos que podem ser adaptados rapidamente para cada oportunidade. Pode parecer besteira, mas dar um destaque para certa habilidade ou atividade exercida em uma experiência profissional pode fazer com que os olhos do recrutador brilhem!

Os pontos mais comuns para adaptação normalmente são habilidades, descrição das experiências, objetivos profissionais, realizações em empresas anteriores e trabalhos extras (como voluntariado e hobbies).

Revise todos os textos

Antes de dar o seu currículo como finalizado, faça uma revisão criteriosa de todos os textos do documento. Verifique desde a parte gramatical até se a abordagem que você usou faz sentido para sua área de atuação. Não se esqueça também de considerar o estilo de empresa onde você quer trabalhar!

Peça a opinião de colegas do seu setor

É sempre bom ter a opinião de outras pessoas antes de sair distribuindo aquele currículo, especialmente se for alguém que atue no mesmo setor que você e possa te avisar caso tenha sido muito ousado para sua área, por exemplo. Melhor ainda se conseguir inputs de colegas que ocupem posições de gestão.

Analise o desempenho do currículo

Tendo finalizado todo esse processo, você finalmente terá uma versão final do seu currículo. Agora é só enviar sua inscrição para vagas de seu interesse e aguardar feedbacks.

Mas a coisa não acaba por aí: use o desempenho do seu currículo como termômetro para promover uma melhoria contínua no documento. Se você não for convidado a muitas entrevistas mesmo que tenha um perfil adequado para as vagas, é bem provável que exista algum problema em seu CV ou em qualquer outro material que está enviando no início do processo seletivo (como uma carta de apresentação, por exemplo).


Desejamos sucesso em sua busca pelo emprego. Continue navegando no nosso blog para ler mais sobre como conquistar a oportunidade ideal, construir boas relações e gerenciar a sua carreira. 😉

Share.