Empresas que incentivam a presença feminina no setor de TI

0

Ainda hoje, assuntos relacionados à Tecnologia da Informação são normalmente associados a profissionais do sexo masculino. Formado, em sua grande parte, por engenheiros, o setor de TI muitas vezes é visto como um ambiente hostil para as mulheres.

Para se ter uma ideia da disparidade entre a presença de mulheres e homens no setor de TI, entre as companhias do S&P 100, ranking com as maiores empresas do mundo compilado pela agência de risco Standard & Poor’s, 20% delas têm, pelo menos, uma diretora. No Vale do Silício, o mesmo acontece só com 10% das empresas. No Facebook, 31% são mulheres; na Apple e no Twitter, 30%. Quando o assunto são novos negócios, dados da Harvard Business School comprovam que apenas 10% dos aportes financeiros são feitos em startups comandadas por mulheres.

Para combater esse cenário, existem iniciativas no mercado que tentam reverter esta situação. É cada vez maior o número de empresas – de tecnologia ou não – que incentivam a participação da mulher no setor. Exemplo disso é a gigante IBM, que criou o evento “Movimento Empoderamento da Mulher em Tecnologia”, que ocorrerá no próximo dia 28 de março, das 9 às 12h30 (horário de Brasília), na IBM São Paulo, com a presença de Camila Achutti e outros nomes femininos do mercado de TI para discutir tendências e a carreira das mulheres no setor. Utilizando a hashtag #WomeninTech, a empresa também se conecta a universidades brasileiras para incentivar a participação das mulheres nos cursos de Tecnologia da Informação.

Além de incentivar a formação de mulheres no setor de TI, a HP  criou políticas para garantir que 30% das novas contratações em áreas técnicas sejam de mulheres. Com ações como workshops e debates focados nesse tema, essas empresas estimulam a quebra de paradigmas, a formação de mulheres em tecnologia e incentivam o empoderamento feminino.

A desvantagem enfrentada pelas mulheres no mercado de TI também motivou a criação do blog “Mulheres na Computação”, que discute tendências, desafios e iniciativas que favoreçam a presença cada vez maior do sexo feminino no mercado de TI. Com mais de 150 mil membros, o blog inspira estudantes da área a não desistirem diante de dificuldades ou preconceitos, como a diferença salarial – mulheres profissionais de tecnologia no Brasil ganham 30% menos do que os homens, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do IBGE.

E você? Conhece ou é uma profissional de tecnologia? Quais ações você acha que ainda precisam ser feitas para incentivar uma presença maior do sexo feminino nesse setor?

Compartilhe.