Entrevistas com James Allen: Liderança

0

Esta é a terceira e última entrevista da série com James Allen, sócio e diretor de inteligência do Sustainability LAB (www.olab.com.br). Hoje falamos de liderança e auto liderança.

Ouvimos falar muito na importância da liderança. Mas afinal, qual é o papel do líder?

Gosto muito do conceito de co-criação, de que o grupo chega a soluções e a resultados juntos. Nos grupos, a diversidade é uma grande qualidade. A liderança da qual estamos falando não é somente aquela onde uma pessoa lidera outras, mas de situações diferentes em que cada pessoa assume uma posição de liderança de acordo com a necessidade do momento e a sua personalidade ou potencial.

Por isso acho o conceito de líder como anfitrião importante (https://www.lovemondays.com.br/blog/o-lider-como-anfitriao). O líder tem o papel de criar e manter o espaço para que os outros sejam criativos, interajam. Uma analogia interessante sobre o líder para o seu grupo é a função do rio para uma cidade. A cidade se forma em torno do rio, ele está no meio da cidade, o rio cria aquele espaço no qual a cidade pode crescer e se desenvolver. Às vezes presta serviços para a cidade, às vezes ele recebe lixo da cidade, mas sempre ele está ali criando e mantendo o espaço. É este o papel do líder: criar e manter o espaço para que o grupo possa se desenvolver.

Quais são as características de um bom líder?

Um dos pontos de partida do que é liderança é a auto liderança, que quer dizer você liderar a si próprio, ter coerência entre seus valores e suas práticas. O conceito de auto liderança como ponto de partida da liderança faz muito sentido, pois a auto liderança inicia com o autoconhecimento, que leva à autenticidade. E conseguindo alcançar esta autenticidade, a liderança vem naturalmente.

Nossas atitudes são muito controladas pela nossa mente, e não pela nossa alma. O problema é que a mente se baseia muito em cima de medos, que todos nós carregamos. Assisti a uma palestra de Roberto Ziemer sobre Auto Liderança e ele falou sobre três medos: medo de escassez material, medo de não pertencimento (que eu entendo como medo de não ser amado), e o medo de não ser reconhecido.

Esses medos acabam nos limitando, a gente não consegue realizar nosso potencial por estar limitado por eles. Por exemplo, pode ser que eu só foque em ganhar dinheiro pois tenho medo da escassez material. Pode ser que eu só fale o que você quer ouvir por medo de não ser amado. Os medos acabam influenciando e comprometendo bastante os nossos comportamentos. Se a gente não se conhecer e não cumprir com o processo de auto liderança, os medos nos limitam e nos impedem de nos tornarmos uma pessoa autêntica.

Como iniciar o processo de autoconhecimento para atingir a auto liderança?

O silêncio é um bom modo de começar. Ele não precisar necessariamente significar sentar sozinho e meditar, pode ser uma caminhada, a sua decisão de comer uma refeição sozinho, apreciar a comida e estar presente naquele momento. A gente acha que o autoconhecimento começa com barulho, conversa, ideias, mas eu acho o oposto, acho mais fácil encontrar a nossa essência através do silencio. O objetivo é estar presente e atento para que suas decisões reflitam sempre os seus valores e não sejam nunca feitas de forma automática.

O líder é indispensável para o sucesso do grupo?

Se a gente entende o líder como uma das peças do grupo e acredita que este grupo pode se auto gerir e auto liderar, mesmo que o líder saia fora da situação, a roda continua girando. Porém, aquele espaço que o líder ocupou continua ali e provavelmente será necessário que o líder retorne em alguns momentos, como por exemplo em um momento de crise. Outra habilidade importante do líder é saber convidar outras pessoas a assumirem a liderança em determinados momentos, de acordo com a habilidade de cada um e a necessidade do momento. Assim, pessoas diferentes assumem posições de liderança e, como falei anteriormente, estamos falando de uma liderança onde não é somente uma pessoa que lidera todos os outros, mas de várias pessoas que assumem posições de liderança em momentos diferentes.

 

 

James Allen é pai, tradutor, gestor de projetos socioambientais e facilitador. Ele mora em São Paulo desde 2005 e é sócio-fundador da consultoria em sustentabilidade, LAB (www.olab.com.br). Desde 2014 é professor da The School of Life, em São Paulo e no Rio.

Compartilhe.