Como a Creditas implementou o processo seletivo sem viés

0

Uma startup que passou de 100 funcionários para 500 em dois anos certamente oferece desafios para a área de Recursos Humanos. Foi esse o cenário enfrentado pela Creditas, fintech que oferece crédito com juros mais amigáveis para combater as más dívidas dos brasileiros.

O RH – que lá recebe o nome “VIP”, pois cuida de “Very Important People” – precisava encontrar a solução para um problema complexo: como manter a qualidade das contratações em escala, fazer isso com baixo custo, retirar o viés nas seleções e ao mesmo tempo se preocupar com a experiência do candidato ao longo do processo seletivo?

Parte da resposta está na tecnologia: ela, que já havia permitido escalar o negócio, otimizar processos e melhorar a experiência de clientes e funcionários, também poderia ser usada para aprimorar a experiência dos participantes e garantir maior diversidade para a empresa ao combater o viés em processos seletivos.

Veja como a Creditas conseguiu isso:

Passo 1: Testes

A Creditas envia um teste para todos os candidatos, sem exceção. Todos os que se aplicam no processo seletivo têm a chance de realizar a prova online, independentemente da sua área de formação, idade, instituição de ensino ou qualquer tipo de filtro humano. Para garantir que as oportunidades cheguem a todos, a empresa tem colaboradores que se encarregam de divulgar as vagas abertas entre grupos de diversidade.

Os testes contêm perguntas dissertativas e de múltipla escolha, com adaptações de acordo com o perfil de cada vaga, para que as competências requeridas em cada área de negócios seja analisada. Também há perguntas sobre expectativa salarial. Os que apresentaram melhor performance seguem para a próxima etapa, e os demais são notificados de forma automática sobre a desclassificação.

Passo 2: Entrevistas por telefone

Selecionados os candidatos que obtiveram melhor desempenho nas perguntas abertas e fechadas da primeira etapa, é hora de agendar uma rápida entrevista por telefone com o VIP.

Nesse momento, o selecionador informa a duração da entrevista, explica o que é esperado da conversa e aproveita o momento para apresentar a empresa. Os participantes que foram melhor avaliados seguem para a etapa de fit cultural, enquanto os outros recebem um feedback agradecendo a participação.

É importante considerar que muitas vezes as vagas podem ficar congeladas, ou pode ocorrer algum imprevisto no meio do caminho. Por isso, além de dar uma posição para quem segue ou não na seleção, a empresa dispara uma mensagem toda sexta-feira para candidatos a vagas em stand-by, informando que o processo seletivo ainda não andou, mas que em breve haverá notícias.

A transparência durante todo o processo é fundamental para proporcionar uma boa experiência ao participante, já que diminui a ansiedade causada pela incerteza.

Passo 3: Fit cultural

Na Creditas, há um grupo de tripulantes (como são chamados os funcionários internamente) que estão habilitados a realizar entrevistas de fit cultural, pois são pessoas que carregam os valores da empresa de forma mais explícita. Essa entrevista é realizada de forma online.

O interessante é que, nessa fase, o entrevistador de fit cultural nunca deve ser da área de atuação da vaga, a fim de evitar viés. Por exemplo: se a vaga for para a área comercial, quem deve realizar a entrevista é alguém do financeiro ou de tecnologia. Até esse momento, a Creditas ainda não olhou o currículo – apenas os testes e o desempenho puro do candidato ao longo das etapas do processo seletivo.

Os que melhor performaram seguem para a fase final; os que ficarem de fora recebem uma mensagem customizada da empresa.

Passo 4: Entrevista com os líderes

A etapa final do processo seletivo consiste em uma entrevista com os gestores, que recebem um compilado de informações sobre os finalistas (resultado de testes, entrevistas de fit e o CV, para avaliação das competências). Já há um direcionamento sobre as perguntas que os líderes devem fazer, elaborado pelo VIP.

Geralmente são dois team leaders que avaliam os finalistas. Enquanto fazem isso, cada um deles anota imediatamente suas percepções individuais na plataforma de avaliação – sem conversarem entre si, para não haver influência sobre a percepção do candidato. Havendo de ambos uma opinião positiva, é automaticamente gerada uma carta proposta para o candidato. Se há empate entre duas pessoas, o candidato com as melhores notas fica com a oportunidade.

Resultados alcançados

Com esses passos, a Creditas tem conseguido não apenas preencher um grande volume de vagas com profissionais de qualidade, mas também inserir de forma orgânica a diversidade na organização, sem cotas ou programas específicos. Para se ter uma ideia, das últimas seis contratações, quatro foram de pessoas negras.

Por fim, além do foco em candidate experience e na qualidade dos processos seletivos, a empresa ainda consegue avaliar de onde chegam os candidatos que possuem mais fit com a sua cultura, pois cruza dados dos testes realizados com a fonte que deu origem à candidatura.

Leia também: Case Creditas – Como a empresa investiu em sua marca empregadora

Share.